WSOP 2017 Now Live
2017 World Series Of Poker

Value Bet e Bluff Juntos

  • RaSZi/Luiz Fernando HermesmeyerRaSZi/Luiz Fernando Hermesmeyer
RaSZi

Quando você blefa, tenta convencer seu adversário que tem uma mão forte. E quando você faz uma aposta de valor (value bet: uma pequena aposta onde você espera que seu oponente pague), tenta representar uma mão ruim ou pior do que aquela que possui. Embora uma pareça o oposto da outra, ambas tem o mesmo princípio. Quando você melhorar os seus blefes, também melhorará suas apostas de valor. E essa é a razão de unir os dois temas em um mesmo artigo.

Muitas pessoas já me perguntaram: "Qual a melhor hora para aplicar um blefe? Para obter a resposta, é necessário saber qual o pior momento para blefar. Por exemplo, se você tem {a-Clubs}{a-Diamonds} e o flop traz {q-Diamonds}{q-Clubs}{10-Spades}. Em qual situação você largaria seus Áses aqui? Qual a aposta do seu adversário que você consideraria forte o suficiente para você desistir? As respostas dessas perguntas você encontra quando for blefar. Se você estiver disposto a largar os Áses nessa posição, seu adversário também estaria. Para saber como uma pessoa 'foldaria' essa mão, pense como você a jogaria. Se você não souber disfarçar o quão desconfortável é ter um overpair nessa situação, então não conseguirá enganar o seu oponente. Na verdade, você deve estar certo que está blefando contra um adversário que é capaz de largar uma boa mão. Você blefa quando o agressor é o seu oponente.

O exemplo mais frequente de onde você é o agressor é ao aplicar uma continuation bet. Você tem {a-Clubs}{k-Clubs} e não acerta o flop. Você continua a aposta no flop e seu adversário desiste. Isso também é um blefe (embora você possa segurar a melhor mão). Na sequência vem o blefe no second barrel, que significa que você atira novamente no turn. E, por fim, o third barrel - uma aposta final no river. Você deve ter cuidado, uma vez que seu adversário pode estar pagando suas apostas com uma mão monstro, onde você é o agressor. Para blefar com sucesso é necessário ter uma boa leitura dos seus adversários.

Não vale a pena citar 50 situações onde pode-se blefar, porém em todas você deverá ter uma boa leitura do(s) adversário(s). Você deve descobrir o que seu adversário segura para fazê-lo desistir da mão. E tem que se certificar também se ele quer realmente desistir da mão. Quando se joga nos limites mais baixos, dificilmente alguém largará par de Áses. Nesses limites, não é necessário blefar, uma vez que seus adversários estão dispostos a pagar suas apostas com jogos muito ruins, dando-lhe muito dinheiro. Quanto maiores os limites, mais você deverá blefar. Por isso, não cometa o erro de blefar repetidamente. Pense qual mão seu adversário deve ter e como se desenrolou o bordo. Se aparecer uma carta assustadora (scary card: uma carta ruim para o jogo do seu adversário), é a hora de aplicar o blefe. Veja o jogo através dos olhos do seu adversário.

O objetivo do blefe é ganhar o pote. Não é uma questão de quem é o mais corajoso. Apenas mostre um blefe se esse puder ser útil no futuro. Por exemplo: se você joga tight, gostaria que pagassem suas apostas com uma maior frequência. Ok, é um exemplo esquisito e que deve se aplicar apenas nos limites mais altos. Seu objetivo é ganhar dinheiro e não ficar mostrando seus roubos aos adversários.

Apostar por valor segue o mesmo princípio, onde você busca tirar o maior valor possível da sua mão. Todos já vivemos a situação de dar check no river com {a-Spades}{j-Spades} com Valete alto no bordo, onde seu adversário tem {k-Clubs}{j-Diamonds}. Você poderia ter extraído mais valor do que o fez nessa mão. Apostar no river nessa situação é apostar por valor. Você sabe que tem a melhor mão e quer pôr mais dinheiro no pote. Muitas pessoas acreditam que apostar por valor é apostar de 40% a 60% do pote, mas estão muito enganadas. Algumas vezes, o maior value bet é ir all in. Se você ecertou uma sequência com o seu {j-Clubs}{10-Hearts} em um bordo {5-Clubs}{k-Spades}{q-Hearts} {6-Diamonds} {9-Clubs} e imagina que seu adversário tenha {k-Hearts}{q-Spades}, apostar todas as suas fichas seria uma aposta de valor perfeita. Nem sempre funciona, mas quando funciona, compensa. Se o seu value bet de 100 é sempre pago, se você for all in de 1,100 o seu adversário deverá pagar apenas uma vez para que compense. Esse é um exemplo de como um overbet pode funcionar como um value bet.

Um erro frequente de muitos jogadores é olhar para o board. Percebi isso em minha primeira viagem para Compenhagen a fim de jogar o EPT junto com o Hallinggol e o Check_Kills. Eu observava o Hallinggol enquanto ele apostava 3,000 no river em um pote de 3,500 com {7-}{7-} num bordo {9-}{8-}{8-} {5-} {2-}. Eu pensei "larga essa mão..." e o Hallinggol pensou "me paga, é uma aposta de valor". Seu oponente pagou a aposta e escondeu suas cartas em seguida. O que percebi nessa altura é que pouco importa o que está na mesa. Se apareceu a possibilidade de flush no river e você acredita que seu adversário tem um par menor que o seu, vá em frente e faça uma aposta de valor. Assim como no blefe, tudo se resume a uma boa leitura.

Cerifique-se que tem uma mão melhor que aquela do seu adversário. Depois pense na aposta máxima que ele está disposto a pagar. Não pegue o caminho mais fácil e dê mesa no river...

Mais notícias

O que você acha?